quinta-feira, 16 de junho de 2011

Já como de costume, foi até a colina e parou para ver o por-do-sol, com tantos pensamentos, no seu intelecto e mesmo sem ninguém em sua mente, não era um ser, era todos, uma unificação do universo. Que sempre se perdia ao ver a lua, que sim, a fazia lembrar dele. E as estrelas, que diziam que ele também sentira saudades.

Sem comentários:

Publicar um comentário