segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Segunda nota mental:

Seus olhos avermelhados se fixavam cada vez mais em seu reflexo embaçado no pequeno espelho em que estava usando pala ver seu reflexo enquanto limpava sua maquiagem borrada pelo choro. '' Ainda não era amor, mais dói como se fosse ''. E ainda se fixava na dor que seus olhos carregavam, e o vermelho em volta de sua pupila dilatada só a fazia chorar ainda mais. Tentava limpar seu rosto mais estava ardendo de uma forma estranha e quando mais passava o suave algodão no rosto, mais lágrimas escorriam de seus pequenos olhos. Ela ainda achava a dor bonita, pois a dor trouxe para ela tudo que desejava... novas noites, e talvez novas bebidas. Toda sua ilusão de felicidade só aparecia quando a dor vinha... e cada vez mais a dor estava presente. E começou a doer de uma forma que não só doía a dor, doía tudo. Ela tentou se concentrar só no que olhava pois já achava estar em outra dimensão enquanto seus reflexo ficava cada vez mais embaçado... ela tentou esquecer. Mas tudo que é bom, a faz se lembrar de tudo que machuca. E tudo que machuca, a faz lembrar de tudo que é bom.
'' Acho que a dor é um sentimento que só vai embora, quando o amor também vai... '' Tinha que conviver com isso, com seus olhos vermelhos, e seu reflexo embaçado.

Sem comentários:

Publicar um comentário